quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Situação do Brasil continua muito difícil!


Temos que ser realistas. O natal passou, Papai Noel foi embora, o ano de 2016 acabou e o Réveillon também. Estamos em 2017. Mas a situação do Brasil continua muito complicada, o que todo mundo já sabe. Seria excelente se pudéssemos escrever apenas coisas boas, que acontecem em países desenvolvidos, mas a verdade é imperiosa. Reserve um tempo para tomar conhecimento deste contexto, que é de impressionar. Vejamos apenas algumas condicionantes...

O mercado de trabalho e suas nuances

Poucas pessoas sabem na realidade o que é um Posto de Trabalho. É representado por uma vaga que pode ser ocupada por alguém. Assim, um frentista de posto de gasolina, um vendedor de loja, todos ocupam os chamados postos de trabalho. Muito bem, pois o Brasil perdeu, em 2016, cerca de 800 mil postos de trabalho. Vagas que eram ocupadas e que deixaram de existir. O Comércio encolheu, demitiu muita gente e fechou postos de trabalho. Da mesma forma a Indústria, que demitiu muito e diminuiu suas atividades.  

Aliado a esta diminuição dos Postos de Trabalho há o seguinte: todos os dias centenas ou milhares de pessoas completam 18 anos! E logo vão ao Ministério do Trabalho para “tirar” suas carteiras profissionais e procurar um primeiro emprego. Dessas pessoas, poucas conseguem. O restante vai se somar aos 12 milhões de desempregados em todo o país. Ou seja: o contingente de mão-de-obra desempregada aumenta cada vez mais. No dia seguinte a história se repete – mais pessoas completam 18 anos e vão procurar emprego. Resultado: todos os dias o contingente de desempregados aumenta. E com isso os problemas sociais decorrentes da situação. Estes dados são controlados pelo Ministério do Trabalho em um cadastro, o CGED – Cadastro Geral de Empregados e Demitidos. Para que a situação volte ao normal seria preciso a criação de milhares de novos postos de trabalho em todo o país, além de cursos de qualificação profissional para a recolocação desses 12 milhões de desempregados de volta...

As áreas da Saúde, da Segurança Pública e da Educação também encontram grandes dificuldades. A Segurança Pública perde uma batalha para o crime organizado. Não há polícia suficiente para garantir a segurança populacional, nossas vidas. E o crime avança, o tráfico de drogas também, lamentavelmente.

A seca no Ceará e em boa parte do Nordeste

Como se não bastasse a situação complicada estamos há cinco anos em meio a uma seca no Ceará, que está dizimando o nosso povo, acabando com nossas reservas de água e dificultando a vida das pessoas que moram no interior, especialmente. E ainda com as perspectivas sombrias para um novo ano de estiagem.

Como os políticos se comportam?

A classe política está totalmente desacreditada por muitos. As exceções são raras. Nossos representantes se preocupam efetivamente em manter suas benesses. Trabalham pouco e ganham muito. E tem os quadros não compatíveis com o país. É muita gente que poderia ser dispensada. Pelo menos uns 70 por cento de vereadores, deputados, senadores (juntamente com aqueles que os cercam) poderiam ser dispensados. Não sentiríamos falta alguma. Elo contrário. Alívio é o que dariam para a Nação. E como os maus políticos não se importam nem um pouco com a excessiva carga tributária que pagamos?

Nossas leis, como estão?

Mal. Quase na UTI. Algumas ultrapassadas, outras ineficientes e mais ainda que não são cumpridas. O sentimento de impunidade que o quadro leva para a população é enorme, o desânimo, pois não sabemos a quem apelar. O Judiciário é extremamente lento e não dá conta de tudo que acontece. As leis não são iguais para todos. Além dos foros privilegiados há que se destacar casos onde os acusados detém poder e conseguem a contratação de bons advogados para os livrar de tudo. Os que nada possuem vão para a vala comum.

O medo quase que generalizado

Hoje em dia o cidadão teme ao abastecer seu carro em um posto de gasolina, ao comprar um remédio em uma farmácia, ao chegar ou sair de sua própria casa, ao retirar dinheiro em uma agência bancária, ao praticar caminhadas para se exercitar. Os índices de diminuição da criminalidade apresentados são ridículos. As agências bancárias que são explodidas sistematicamente em todo o país dificultam a circulação do dinheiro entre as pessoas e o comércio, além de expor a população, que pode se tornar refém a qualquer momento nos assaltos. Uma calamidade.

O falido Sistema Prisional brasileiro

Na outra ponta o Sistema Prisional, que está completamente falido. O Estado não consegue reeducar o preso. Assim são formadas em todo o território nacional verdadeiras escolas do crime onde amontoados de pessoas ficam reclusas, em um ambiente inadequado e sem ter o que fazer. Meliantes de alta periculosidade misturados a outros que cometeram pequenos delitos. Tudo “junto e misturado”... As facções criminosas comandam os presídios. Usam as suas instalações para comandar o crime organizado através de telefones celulares. Um verdadeiro absurdo.

O cidadão de bem, sem proteção

No meio de tudo está o cidadão de bem. Está sim, desamparado até pelo direito de sua própria defesa, de portar uma arma. Alguns, a depender do poder aquisitivo, vivem em residências que mais parecem fortalezas, com muros altos, cercas elétricas, alarmes, câmeras, para tentar se defender dos criminosos. Idênticas prisões domiciliares. Quando saem para o trabalho enfrentam em todas as situações a marginalidade, armada, cruel e implacável. E continua o Estatuto do Desarmamento a vigorar, dificultando o acesso a armas por parte de cidadãos do bem. Enquanto os criminosos conseguem todo e qualquer tipo de armamento, muitas vezes com maior poder de fogo e de destruição do que as próprias polícias.

A Polícia e as leis que dificultam o seu importante trabalho

Uma polícia militar que desenvolve ações de repressão ao crime. Prende várias vezes a mesma pessoa. Por exemplo, os menores de idade, protegidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. Adolescentes que na sua “inocência” atiram e matam cidadãos em diferentes oportunidades. E matam policiais. E matam seus rivais de facção. E nada acontece. Passam pouco tempo apreendidos e logo voltam ao convício da sociedade. Aos 18 anos todos estão com a Ficha Limpa... E a Polícia Civil, em quase todos os Estados, incapacitada de terminar suas investigações, seus inquéritos, por falta extrema de pessoal, de material, de estrutura e de meios para isso. Milhares de crimes ficam impunes eternamente, uma triste constatação. Apesar de valorosos e competentes policiais, de ambas as forças, não possuem contingente para enfrentar a guerra contra o crime.

A corrupção desenfreada

Diariamente mais casos são noticiados nos diversos Estados da Federação envolvendo empresários, políticos, doleiros, comerciantes, fiscais e uma gama de pessoas na corrupção. A operação Lava Jato faz o que pode. Mas a Justiça não acompanha o seu ritmo. De um modo geral se sabe que são milhões de processos parados em todas as esferas judiciais. As ações se arrastam até que cheguem a seu término com os acusados livres de tudo, muitos por terem os prazos prescritos.

Há esperança?

Como o Brasil tem um potencial grande há que sair da crise e reverter a situação que se encontra. Mas em um tempo que a maioria de nós talvez não alcance.



Nenhum comentário: